segunda-feira, 23 de julho de 2007

Good Bye Lenin!

É o que definitivamente mostra que o cinema Hollywoodiano não está com nada. Não precisa ser um fã da sétima arte para entender que filmes pipoca são apenas entretenimento, se quiser algo além disso, busque filmes que não custaram tantos milhões. E claro, a Europa é uma boa parada, os filmes lá também custam caro, mais se você achar algum efeito especial exagerado em Adeus Lenin! meus parabéns, você realmente viu além do que existe.
Começando, claro, pela trilha sonora do Yann Tiersen, digamos, amor a primeira vista, logo que ouvi suas primeiras notas em Amelie acabei por me dedicar a ouvir o trabalho desse gênio, em menos de 2 dias depois de pegar a trilha de Amelie já estava ouvindo Summer 78, e apenas 5 minutos depois já queria ver o filme, bem, isso foi no começo de 2006 provavelmente, e aqui estou eu, e só agora finalmente vi o filme.
Como a trilha demonstra, é uma história triste, e posso garantir que é triste o suficiente para me arrancar uma quantia aceitável de lágrimas. São tantas variáveis na história, o amor, a mudança, a dedicação, a esperança, a solidão, tudo retratado da forma mais pura da arte cinematográfica. Não, ainda prefiro Amélie apesar de tudo, mais Lenin é um filme que irá ficar na minha cabeça, porque essa é a beleza de um filme bem feito, ele jamais se apaga de sua mente, até mesmo aqueles que você não gosta de início pode se tornar um dos melhores filmes que você já viu. Citando outra história sobre mãe, posso falar de Todo Sobre Mi Madre, que, devo admitir, não gostei quando vi, mais que a história insistia em se mostrar para mim, muitas vezes me peguei pensando no filme, e no que ele falava, e assim fui percebendo que aquilo era o significado de se fazer cinema, passar uma idéia, grava-la, com a beleza e magia do cinema te levar a um mundo que é tão real quando o que você vive, e assim fazer você sonhar mais do que com todos esses efeitos tão adorados pelo público normal.
Sim, eu amo o cinema e a forma como ele age sobre nós, a maneira como ele entra e muda sua vida, a forma como ele pode ser o que quiser e se moldar as necessidades de cada um. Alguns podem me achar estranho por ficar sentado até a última linha de crédito no cinema, ou por pegar tantas trilhas, ou mesmo por ter tantos filmes baixados que eu nunca vi, ou quem sabe por ficar horas vendo trailer ou até pior, escrever aqui sobre eles. Mas para mim isso é uma forma de viver, um estilo, com o qual conheço poucos a compartilhar, pois ou as pessoas gostam e conhecem em um nível muito superior ao meu, ou simplesmente não respeitam com o mesmo amor que eu essa magia de criar filmes.
E é isso que Good Bye Lenin! é. Um filme com o qual várias pessoas podem entreter, gostar, até mesmo achar 'muito bom', porém, que poucas pessoas podem enchergar, entender, ou participar. Pois não se trata de ver o filme apenas, e sim mergulhar nele, apurá-lo, e coisas do gênero.
Para variar, pela segunda vez no mesmo dia fui interrompido enquanto escrevia... e isso realmente acaba com a graça de escrever ¬¬
Então, estou indo dormir.
Infelizmente porque acabei de baixar quentinho aqui, enquanto via Good Bye Lenin!, o Before Sunrise. Odeio isso de ter que dormir, mais é a vida.
Boa Noite e Boa Sorte...

Um comentário:

Mokitty disse...

Será que você está se tornando adepto do "modo coruja: ativar!" também?
Notou como eu sempre comento o fim do seu post antes?
Bem, eu acho que "Adeus, Lenin" foi uma experiência muito interessante. Não posso dizer que me lembro dele, pois faz uns quatro anos que assisti e nem peguei do começo, foi numa manhã de domingo.
Eu acho que fazer cinema é como escrever um livro ou pintar um quadro, mas de um modo que te permite atingir mais profundamente: todos falam que a imagem unida ao som causa uma marca muito mais forte do que os dois elementos separados. Hoje em dia, o cinema tem sido a forma mais produtiva de expressão, e assim como em todas as artes, muitos se aproveitam disso para ganhar dinheiro. Felizmente, no meio dessa corrida do ouro, ainda encontramos aqueles que são sinceros na sua intenção: de trazer à nossa atenção alguma coisa que acrescente, que passe uma mensagem, que nos faça pensar, para que no final, com o subir dos créditos, nos sintamos como se tivéssemos perdido um amigo.
****
Agora, até o próximo post mesmo...
^^ Sua comentarista fiel vai encerrando a transmissão... Beijos!